Geology Spy K-431 Echo-II submarine ZIL Karelian Isthmus first bombing attack at Berlin Ship Neva
4 histórias de perigo em expedições geológicas na Sibéria Neste dia: Aeroporto Internacional Sheremetyevo era inaugurado

27 armas de espionagem ocidentais confiscadas pela KGB

Equipamentos foram apreendidos por agentes russos e oficiais de fronteira.
De Boris Egorov

Bengalas com lâminas Foto: Ilya OgarevBengalas com lâminas Foto: Ilya Ogarev

Uma bengala com uma lâmica escondida se transformava em uma arma de combate para espiões estrangeiros. A bengala podia ser usada como uma espada ou como uma lança. Modelos com castões pesados também podiam ser úteis para nocautear o inimigo. 

 Esconderijos para contrabando e espionagem Foto: Ilya Ogarev Esconderijos para contrabando e espionagem Foto: Ilya Ogarev

Os esconderijos eram usados principalmente para o tráfico de itens proibidos, mas também serviam para fins de espionagem. 

Câmeras escondidas em relógios e isqueiros Foto: Ilya OgarevCâmeras escondidas em relógios e isqueiros Foto: Ilya Ogarev

Câmeras colocadas em pequenos objetos do cotidiano, como isqueiros e relógios, são alguns dos acessórios de espionagem mais comuns confiscados de espiões estrangeiros na União Soviética e na Rússia moderna. 

Um transmissor colocado em um rádio toca-fitas Foto:Ilya OgarevUm transmissor colocado em um rádio toca-fitas Foto:Ilya Ogarev

Especialistas em reconhecimento frequentemente colocavam rádios transmissores dentro de toca-fitas para ajudar na comunicação com seus agentes em território soviético. 

Livros para decifrar mensagens codificadas Foto: Ilya OgarevLivros para decifrar mensagens codificadas Foto: Ilya Ogarev

Para decifrar informações criptografadas, espiões estrangeiros usavam livros em outras línguas com conteúdo insuspeito – de contos de fadas a novelas, passando por livros técnicos.

Livros para decifrar mensagens codificadas Foto: Ilya OgarevEsconderijo em um suporte de caneta e câmera portátil em um barbeador Foto: Ilya Ogarev

Os objetos de uso cotidiano mais comuns foram usados para esconder tecnologia de espionagem. Suportes para canetas continham esconderijos e câmeras eram escondidas em barbeadores. 

Objetos desenhados para promover a comunicação entre agentes por meio de esconderijos Foto: Ilya OgarevObjetos desenhados para promover a comunicação entre agentes por meio de esconderijos Foto: Ilya Ogarev

Objetos de vários materiais (plástico, metal, madeira) eram usados por agentes para esconder mensagens, códigos de criptografia e dinheiro. 

Walkie-talkie escondido em uma maleta Foto: Ilya OgarevWalkie-talkie escondido em uma maleta Foto: Ilya Ogarev

Walkie-talkies usados por espiões para transmitir informação e receber instruções de centros de reconhecimento geralmente eram compactos o suficiente para caber dentro de pequenas maletas. 

Facas com lâminas retráteis Foto: Ilya OgarevFacas com lâminas retráteis Foto: Ilya Ogarev

Facas com lâminas retráteis ajudavam os espiões a se proteger de agentes de contrainteligência.

Esconderijos Foto: Ilya OgarevEsconderijos Foto: Ilya Ogarev

Esconderijos feitos com blocos de madeira eram usados por espiões para esconder dinheiro, materiais secretos, instrumentos de criptografia e códigos. 

Arma de choque escondida em lanterna Foto: Ilya OgarevArma de choque escondida em lanterna Foto: Ilya Ogarev

Esta arma era usada para combates corpo a corpo e eram usadas por espiões estrangeiros e sabotadores. A descarga elétrica era capaz de deixar o inimigo inconsciente, ajudando o espião a escapar e se esconder. 

 Armas-roletas e armas em canetas Foto: Ilya Ogarev Armas-roletas e armas em canetas Foto: Ilya Ogarev

Armas em forma de roletas tinham dez balas. Compactas e facilmente escondidas, elas podiam ser levadas na mão ou no bolso. Eram mortais a uma curta distância. Já as armas-canetas podiam ser disparadas apenas uma vez. 

Minicâmeras do agente da CIA Adolf Tolkachev com manual Foto: Ilya OgarevMinicâmeras do agente da CIA Adolf Tolkachev com manual Foto: Ilya Ogarev

Em 1985, os serviços de contrainteligência da KGB prenderam Adolf Tolkachev, designer de engenharia da Phazotron, maior produtora russa de radares militares. Por vários anos o designer passou informações confidenciais sobre desenvolvimentos russos de aviação para a CIA. Em 1986, ele foi condenado à morte e executado por um esquadrão soviético. 

Peruca e bigode falso do agente da CIA Michael Sellers Foto: Ilya OgarevPeruca e bigode falso do agente da CIA Michael Sellers Foto: Ilya Ogarev

Em março de 1986, Michael Sellers, secretário da embaixada dos Estados Unidos em Moscou e funcionário da CIA, foi preso enquanto contatava seu agente de contrainteligência da KGB. 

Para mudar sua aparência, o espião americano usava uma peruca e um bigode falso. Após ser preso, Sellers foi expulso da União Soviética. 

Equipamento usado para transmitir informações camuflado como um galho de árvore Foto: Ilya OgarevEquipamento usado para transmitir informações camuflado como um galho de árvore Foto: Ilya Ogarev

Um equipamento usado para transmitir informações de reconhecimento camuflado como um galho de árvore foi descoberto pelos serviços soviéticos próximo a uma base aérea militar na Alemanha Oriental. As informações eram recebidas pela Otan na Alemanha Ocidental. 

 Óculos com compartimento para veneno e pasta de viagem com bolsos secretos Foto: Ilya Ogarev Óculos com compartimento para veneno e pasta de viagem com bolsos secretos Foto: Ilya Ogarev

O coronel Gennady Smetanin, que ofereceu seus serviços para a CIA, foi descoberto e preso pela KGB em 1985. Ele possuía óculos com um compartimento secreto para armazenar veneno. O estojo dos óculos tinha instruções sobre como contatar a CIA. Smetanin não teve chance de tomar o veneno – ele foi executado por um esquadrão soviético.

O major Dmitri Polyakov trabalhou para o FBI e para a CIA por mais de 20 anos. Já aposentado e recebendo uma boa pensão, ele conseguiu destruir todas as evidências de suas atividades clandestinas, exceto por um objeto – uma pasta de viagem com bolsos secretos para blocos de anotações para decifrar códigos. Ele havia esquecido deste objeto e, como resultado de sua traição, foi executado em 1987. 

Equipamento de espionagem de Alexander Ogorodnik Foto: Ilya OgarevEquipamento de espionagem de Alexander Ogorodnik Foto: Ilya Ogarev

O secretário da embaixada soviética na Colômbia, Alexander Ogorodnik, foi recrutado pela CIA no início dos anos 1970. Ele foi descoberto pelos serviços de contrainteligência da KGB e, após ser preso, cometeu suicídio, em junho de 1977 em Moscou. A CIA não soube da morte de Ogorodnik, o que ajudou a KGB a identificar seus contatos em Moscou. Faca de Alexander Ogorodnik e esconderijo usado por Martha Peterson Foto: Ilya OgarevFaca de Alexander Ogorodnik e esconderijo usado por Martha Peterson Foto: Ilya Ogarev

Martha Peterson, agente da CIA que trabalhava na embaixada e por isso tinha cobertura diplomática, plantou um esconderijo camuflado como pedra na ponte Krasnoluzhsky, em Moscou, para ser encontrado por Alexander Ogorodnik. Pega em flagrante, Peterson foi detida pela KGB e expulsa do país. Equipamento dos serviços especiais da Estônia Foto: Ilya OgarevEquipamento dos serviços especiais da Estônia Foto: Ilya Ogarev

No início dos anos 2000, funcionários do diretório do Serviço Federal de Segurança da Rússia, na região de Pskov, notaram um carro suspeito na entrada de seu prédio. Dentro do veículo, encontraram equipamentos que pertenciam aos serviços especiais da Estônia. Equipamento de espionage do agente da CIA Peter Popov Foto: Ilya OgarevEquipamento de espionage do agente da CIA Peter Popov Foto: Ilya Ogarev

Em 1959, durante o Conselho de Ministros da União Soviética, a KGB expôs o coronel Peter Popov, que havia sido recrutado pela CIA na Áustria. Ele havia fornecido aos americanos informações sobre o reconhecimento soviético na Áustria e sobre os primeiros exercícios militares usando armas nucleares na União Soviética. Em 1960, o Colegiado Militar da Suprema Corte da União Soviética sentenciou Popov à pena de morte. 

Bagagens diplomáticas japonesas – com uma surpresa Foto: Ilya OgarevBagagens diplomáticas japonesas – com uma surpresa Foto: Ilya Ogarev

Em dezembro de 1935, duas cidadãs soviéticas tentaram escapar do país dentro das malas de um diplomata japonês. Os pertences do diplomata não foram revistados. Apesar disso, devido ao tempo frio e ao longo atraso na fronteira com a Polônia, uma das mulheres acabou se expondo – e revelou sua companheira. Ambas foram detidas. 

Equipamento para transmitir informações camuflado de toco de árvore Foto: Ilya OgarevEquipamento para transmitir informações camuflado de toco de árvore Foto: Ilya Ogarev

Os serviços de contrainteligência da KGB já descobriram um aparelho gravador americano de alta tecnologia camuflado como um toco de árvore. Ele estava localizado próximo a uma base de defesa antimísseis perto de Moscou. O aparelho gravava as informações militares e transmitia por meio de um satélite de reconhecimento.

Minicâmera de espião japonês Foto: Ilya OgarevMinicâmera de espião japonês Foto: Ilya Ogarev

Agentes de contrainteligência soviéticos confiscaram uma minicâmera de um espião japonês no Extremo Oriente, em 1942. Equipamento do espião Oleg Penkovsky Foto: Ilya OgarevEquipamento do espião Oleg Penkovsky Foto: Ilya Ogarev

Em outubro de 1962, os serviços de contrainteligência da KGB expuseram o coronel Oleg Penkovsky, agente da CIA e do MI6, durante o Conselho de Ministros. O agente possuía cerca de 5.000 fotografias de sistemas de armamento soviético, que ele havia tirado com uma câmera compacta Minox e eram de extremo valor para a espionagem ocidental. Em maio de 1963, Penkovsky foi condenado à morte. 

Arma escondida em livro Foto: Ilya OgarevArma escondida em livro Foto: Ilya Ogarev

Um livro sobre economia política escondia uma arma húngara Liliput Kal 1925 calibre 6.35. A arma foi confiscada de um espião alemão antes do início da Segunda Guerra Mundial. Alfinete com ponta envenenada, lanterna e silenciador de pistola de espião Foto: Ilya OgarevAlfinete com ponta envenenada, lanterna e silenciador de pistola de espião Foto: Ilya Ogarev

O piloto americano Francis Gary Powers, que fazia um voo de reconhecimento em território soviético, teve o avião atingido no dia 1º de maio de 1960 por um míssil terra-ar próximo a Sverdlovsk, conhecido hoje como Yekaterinburg.Fuselagem do avião americano U-2 usado por Francis Gary Powers Foto: Ilya OgarevFuselagem do avião americano U-2 usado por Francis Gary Powers Foto: Ilya Ogarev

O piloto conseguiu se ejetar da aeronave, mas foi capturado. Agentes soviéticos descobriram com ele um alfinete envenenado e uma pistola com silenciador – arma dos serviços especiais dos Estados Unidos. No dia 10 de fevereiro de 1962, Powers foi trocado pelo espião soviético Rudolf Abel, que havia sido capturado pelos Estados Unidos. 

A Gazeta Russa agradece o Museu da Fronteira do Serviço Federal de Segurança da Rússia por sua ajuda para organizar as fotos deste artigo. 

11 de agosto de 2017
Tags: kgb, espionagem, agente, armas

leia mais

+
Curta a "Gazeta Russa" no Facebook