Palmira é novamente liberada com a ajuda de tropas russas

6 de março de 2017 Nikolai Litôvkin, Gazeta Russa
Exército sírio expulsou militantes terroristas de Palmira graças ao apoio das Forças Aeroespaciais da Rússia. Ideia é criar novos postos de controle e reforçar segurança para cidadãos a fim de evitar uma nova ofensiva do Estado Islâmico contra a cidade.
Cidade liberada em março de 2016 havia sido novamente tomada pelo EI Foto:Oleg Blokhin/Anna News

A retomada da cidade histórica de Palmira das mãos de militantes do Estado Islâmico (EI) foi confirmada pelo ministro da Defesa russo, Serguêi Choigu, em reunião com o presidente Vladímir Pútin na última quinta (2).

Segundo relatos, poucas horas antes do ataque à cidade, o Exército sírio tomou o controle do monte Al Tar, próximo à cidadela antiga, onde artilharia foi implantada para garantir a cobertura das tropas.

Embora o acesso a Palmira tenha sido feito a partir de pontos diversos, o ataque se deu lentamente, já que os militantes terroristas haviam implantado minas explosivas em grande parte da cidade. Antes do avanço dos soldados, sapadores tiveram de ‘limpar’ os trajetos para a passagem da infantaria e da tecnologia militar.

Sapadores retiraram minas antes de Exército adentrar cidade (Foto: Oleg Blokhin/Anna News)Sapadores retiraram minas antes de Exército adentrar cidade (Foto: Oleg Blokhin/Anna News)

Durante os combates, as tropas do EI sofreram grandes perdas e acabaram recuando para o leste do país, informou a agência Fars News.

Defesa de Palmira

De acordo com o coronel da reserva e editor-chefe da revista “Arsenal da Pátria”, Víktor Murakhóvski, o Exército sírio assumiu o controle das zonas elevadas ao redor de Palmira, onde poderá implantar sua artilharia. Isso permitirá, segundo o militar, controlar o território em um raio de 8 km.

“O exército conseguiu um importante ponto de apoio e traçou uma linha na frente que impedirá o contra-ataque de militantes do EI à base aérea T4, da Força Aérea Síria, nos entornos de Palmira”, diz Murakhóvski.

“Isso permitirá garantir a segurança dos distritos recuperados e desenvolver o ataque a Deir ez Zor, onde os guerrilheiros cercaram algumas divisões da Síria”, acrescenta.

 Tropas adicionais serão posicionadas dentro e nos arredores de Palmira (Foto: Oleg Blokhin/Anna News) Tropas adicionais serão posicionadas dentro e nos arredores de Palmira (Foto: Oleg Blokhin/Anna News)

Após a primeira batalha por Palmira, em março de 2016, as milícias se encarregaram da defesa da cidade, e as tropas oficiais sírias seguiram para os arredores de Aleppo.

No entanto, agora é provável que o comando do Ministério da Defesa russo aloque tropas e tecnologia adicionais para ajudar a defender a cidade, diz o editor-chefe da revista “Defesa Nacional”, Ígor Korótchenko.

“Para defender a cidade não é necessário um grande contingente militar. A Rússia vai enviar novos sistemas para essa área e continuará ampliando a defesa nos arredores (...) para evitar que os acontecimentos eventos do final do ano passado se repitam, quando os militantes chegaram a Palmira sem serem vistos e tomaram o controle da cidade mais uma vez”, explica.

Áreas elevadas nos arredores de cidade facilitarão controle (Foto: Oleg Blokhin/Anna News)Áreas elevadas nos arredores de cidade facilitarão controle (Foto: Oleg Blokhin/Anna News)

Segundo o coronel-general aposentado e presidente do Centro Internacional de Análise Geopolítica, Leonid Ivachov, após a derrota das unidades do EI em Palmira, os militantes devem optar por aumentar as atividades terroristas e poderão começar a enviar homens-bomba aos bairros residenciais quando os moradores retornarem.

“Será necessário reforçar o controle por parte dos serviços de segurança e fortalecer não só os pontos de apoio militar ao longo do perímetro da cidade, mas também a segurança das pessoas dentro da cidade”, destaca o militar aposentado .

Próximas missões

O próximo lugar onde as Forças Aeroespaciais russas atuarão deverá ser, de acordo com alguns especialistas, a província de Idlib. Isso porque mais de 30 mil militantes do EI e suas famílias chegaram à região por meio de corredores humanitários.

“O Exército sírio está tentando cercar os terroristas com o nosso apoio para liberar a parte ocidental da província de Aleppo, bem como a região norte das províncias de Hama e Latakia”, disse à Gazeta Russa o analista militar e vice-diretor do Instituto dos Países da CEI, Vladímir Ievseiev.

Após retomada de Palmira, militares russos deverão seguir para Idlib (Foto: Oleg Blokhin/Anna News)Após retomada de Palmira, militares russos deverão seguir para Idlib (Foto: Oleg Blokhin/Anna News)

A expectativa é que as operações militares nessa área durem até a metade de 2017; nos meses seguintes, espera-se que os exércitos da Rússia e da Síria se movam rumo às cidades de Raqqa e Deir ez Zor, na frente oriental.

“Espero que, em breve, comecemos a trabalhar mais ativamente com os EUA nessa área e que a guerra na Síria não dure mais de um ano”, concluiu Ievseiev.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

+
Curta a "Gazeta Russa" no Facebook