Combate ao terrorismo requer nova estratégia

5 de abril de 2017 Evguêni Krutikov, Vzgliad
O atentado em São Petersburgo expõe certa fraqueza nas defesas do país e demonstra que as medidas federais de combate ao terrorismo estabelecidas ao longo das últimas décadas já não são suficientes. A missão das autoridades agora é intensificar o combate às ameaças do chamado ‘terrorismo de baixa intensidade’.
Opinião
Memorial improvisando na estação Tekhnologicheskiy Institut, em São Petersburgo Foto:Reuters

O ataque terrorista em São Petersburgo rompeu a primeira linha de defesa russa contra os extremistas. O crime, no entanto, revela mais do que apenas deficiências na defesa da cidade contra o terrorismo – o paradoxo é que a própria ocorrência desse tipo de ataque é um sinal da eficácia dos serviços de segurança russos.

Prova de amadorismo

Os ataques terroristas de baixa intensidade são agora motivo de grande preocupação. Uma célula terrorista pequena e pouco organizada pode facilmente preparar duas ou três bombas de baixa intensidade e detoná-las em um lugar lotado. Tais atentados não têm o mesmo impacto da situação dos reféns do teatro Dubrovka, em Moscou, em outubro de 2002, por exemplo, mas, ainda assim, são capazes de gerar uma tragédia.

Para combater esse mal, é preciso ir além dos métodos convencionais de contraespionagem, e o fator humano continua a ser um componente crucial. Por outro lado, a vistoria de cada e todo indivíduo, talvez, só seja possível em Israel, que é frequentemente mencionado como modelo de combate ao terrorismo. No entanto, apenas 8 milhões de pessoas vivem no país e estão claramente divididas em “nós” e “eles”. Assegurar a segurança em Israel é muito mais fácil do que em países maiores, como a Rússia ou as principais nações da UE. Sem falar que nos últimos 10 a 15 anos, os serviços de segurança da Rússia – ao contrário de muitos outros – têm mostrado sucesso ao enfrentar inúmeras ameaças.

É relativamente fácil, porém, produzir uma bomba pequena, preenchê-la com pregos, embrulhá-la em um saco plástico para escapar da detecção e, em seguida, detonar o dispositivo em um lugar lotado. Paralelamente, a expectativa de que uma bomba que exploda entre estações crie uma onda de explosão maior é totalmente infundada, já que o dispositivo não seria capaz de causar danos em mais de um vagão.

É por isso que, em termos de tecnologia, o recente atentado foi organizado e realizado por amadores. O mesmo pode ser dito sobre o extintor de incêndio com dois quilos de explosivos e projéteis deixado na estação de metrô Ploshchad Vosstaniya.

Medidas localizadas

O atual sistema de segurança nos transportes públicos da Rússia foi desenvolvido na época em que os ataques terroristas constituíam uma séria ameaça à segurança nacional, e, atualmente, os serviços de segurança do país são capazes de neutralizar planos mal-intencionados de grupos antigoverno.

Devemos agradecer às agências de segurança russas por metodicamente neutralizar, ao longo de anos, a ameaça de terrorismo na Federação Russa e para além das suas fronteiras. Entretanto, a eliminação completa da ameaça de terrorismo é uma missão impossível. Qualquer indivíduo com alguma experiência e imaginação pode planejar grandes ataques terroristas nos quais não seja preciso penetrar em lugares altamente, mas que mesmo assim tenham um enorme impacto público.

Proteger-se contra uma bomba caseira de baixa intensidade feita em uma garagem é muito mais difícil.

Transferir a luta contra o terrorismo ao nível das autoridades municipais seria uma decisão mais fácil, porém equivocada. Vistoriar portões e focar em aparências físicas seria o primeiro nível de defesa; poderiam representar a “proteção contra um louco”, mas que, no caso de São Petersburgo, não funcionou.

Em nível federal, existem planos e recomendações que, quando aplicados de forma inteligente em campo, produzem resultados mais satisfatórios.

A única dúvida que resta agora é o nível de prontidão para se enfrentar uma nova ameaça: o retorno à Rússia de membros de todos os tipos de organizações terroristas que agora fogem da Síria e do Iraque. O ataque à Guarda Nacional na Tchetchênia, por exemplo, se enquadra justamente nessa categoria.

No entanto, o atentado em São Petersburgo deve levar as autoridades locais (e não apenas na capital do norte) a repensar as medidas antiterroristas básicas. Enquanto as autoridades federais continuarão a lidar com o terrorismo global, as autoridades locais também devem fazer algo para proteger as pessoas de terroristas amadores.

Publicado originalmente pelo jornal  Vzgliád

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Os textos publicados na seção “Opinião” e "Blogs" expõem os pontos de vista dos autores e não necessariamente representam a posição editorial da Gazeta Russa.
+
Curta a "Gazeta Russa" no Facebook