Novo armamento fará frente a drones de combate

Detalhes técnicos - ou mesmo nome - da novidade não foram divulgados, mas especialistas acreditam que os drones usem uma corrente de alta tensão que queima o interior dos VANTs inimigos.
A Russian soldier launches a drone
Princípios de funcionamento dos drones ainda são confidenciais. Foto:Reuters

No final de outubro, o porta-voz da empresa russa United Instrument Manufacturing Corporation (UIMC) anunciou que uma arma nova está pronta para combater veículos aéreos não tripulados de pequeno porte (VANTs).

Os drones passaram a ser usados como armas de combate no início dos anos 2000. Agora, reconhecimento e ataque, tarefas que antes eram executadas exclusivamente pelo homem, são realizadas por robôs.

O exterior de um drone se parece com um avião em miniatura. Mas o veículo pode ser equipado com diferentes tipos de armamentos, e é a plataforma ideal para carregar dispositivos de guerra eletrônica.

O perigo do Swarm

O Swarm é o sistema mais atual desenvolvido pela indústria de defesa norte-americana. Seu objetivo é simples: confundir os sistemas de defesa antiaérea inimigos ao criar uma grande quantidade de interferências.

Uma particularidade desse sistema é o uso que ele faz de drones para desativar radares. Assim, um portador lança dezenas de drones, que atuam em conjunto, à semelhança de um enxame de abelhas.

Cada um desses drones, porém, é uma unidade de combate autônoma, podendo estar equipado com qualquer tipo de armamento, inclusive mísseis e dispositivos de combate eletrônico.

O Swarm, ao mesmo tempo, opera como uma entidade única. Cada um dos drones é encarregado de uma determinada tarefa: reconhecimento, interferências eletrônicas ou lançamento de mísseis, entre outras. E, assim, os drones transferem informações simultaneamente para um único ponto de controle.

A tecnologia norte-americana é um novo tipo de sistema de combate que pode não apenas cobrir uma invasão aérea desativando os radares do inimigo, mas mas também atacar alvos.

E os sistemas de defesa antiaérea tradicionais não podem agir contra o Swarm, já que é praticamente impossível destruir drones portadores de mísseis.

Contrapartida

Ao contrário dos sistemas da geração anterior, a nova arma russa contra drones funciona de modo ativo. Em vez de criar interferências de rádio, a nova arma incapacita todos os componentes eletrônicos dos drones oponentes.

Assim, os drones não são destruídos fisicamente, mas perdem toda sua utilidade, com a comunicação entre eles totalmente interrompida.

Os detalhes técnicos da nova arma não foram divulgados e os princípios de seu funcionamento são confidenciais, mas especialistas acreditam que o sistema consista de armas eletromagnéticas direcionais. 

Dessa maneira, os drones inimigos são, provavelmente, atingidos por uma corrente de alta tensão que literalmente queima o interior dos VANTs. A bomba eletromagnética também é eficaz contra os drones.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

+
Curta a "Gazeta Russa" no Facebook