Rússia supera Brasil no mercado alemão de café instantâneo

16 de fevereiro de 2017 Kira Kalínina, Gazeta Russa
Sem cultivo de grãos, país aumenta exportações de produto solúvel de multinacionais para europeus, sobretudo Alemanha, e Israel. Movimento foi estimulado por queda de exportações para a Ucrânia, em 2015, e depois pela queda do rublo.
Produção de café solúvel da Nestlé em Timachevsk, a 75km de Krasnodar, no sudeste da Rússia europeia Foto:Getty Images

A Rússia se tornou um dos 10 principais fornecedores de café instantâneo para a Alemanha, após abocanhar uma fatia de 5% das importações de café no país europeu no segundo semestre de 2016 e ultrapassar Brasil, Suíça e Índia no mercado local.

Além disso, o país se tornou um dos cinco principais fornecedores de café instantâneo também para Israel, seguido apenas por Coreia do Sul e Vietnã.

A chegada do café instantâneo russo nos mercados alemão e israelense é fruto da queda acentuada das exportações russas para a Ucrânia em 2015, segundo Ramaz Tchanturia, diretor da Roschaikofe, a associação russa de produtores de chá e café.

Há dois anos, por exemplo, a Rússia exportou 9.400 toneladas de café, incluindo 5.300 toneladas para a Ucrânia. “Em 2016, perdemos uma parte considerável do mercado ucraniano, que caiu em 4.200 toneladas, e, por isso, decidimos procurar outros mercados para compensar as perdas”, explica Tchanturia.

Os fornecimentos de café solúvel da Rússia à Alemanha começaram em agosto do ano passado. “Até agora, os volumes não são grandes, de 100 a 150 toneladas por mês, mas o fato de enviarmos suprimentos à Alemanha é que importa, pois este país é um dos maiores importadores mundiais de café instantâneo, juntamente com a Rússia e os EUA”, lê-se no site do Centro de Exportação da Rússia.

De acordo com estatísticas oficiais, Alemanha importa anualmente 40 mil toneladas de café instantâneo de 15 países.

Os lotes de café instantâneo que saem da Rússia são provenientes de fabricantes internacionais que possuem instalações de produção no país. Entre as empresas estão a Nestlé, que possui uma fábrica no território de Krasnodar, e alemã-holandesa Jacobs Douwe Egberts (JDE), cujas instalações ficam na região de Leningrado

A fábrica russa da JDE é, inclusive, uma das instalações que iniciaram a exportação de café para Israel em 2016. “Com uma base sólida no mercado russo, a JDE Rus está agora focada em novos mercados”, diz Anna Tchikova, uma das gerentes da marca.

Segundo Tchikova, a empresa não exporta café da Rússia para a Alemanha porque já possui uma fábrica no país europeu. O café russo da JDE é enviado, porém, a outros países da CEI, bem Mongólia, Turquia, Marrocos, Polônia, Romênia e Bulgária.

Até o fechamento desta matéria, a Nestlé não havia respondido às questões da Gazeta Russa sobre as exportações para a Europa.

Mercado em ascensão

“No mercado europeu de café instantâneo, competimos não com o Brasil, o Vietnã ou a Colômbia, que exportam seus grãos, mas sim com produtores locais que processam esses grãos”, diz Tchanturia, acrescentando que a Alemanha, assim como a Rússia, geralmente importa os grãos para depois processá-los.

O potencial de exportação de café instantâneo russo foi também impulsionado pela depreciação do rublo, que permite que os fornecedores russos ofereçam preços mais competitivos, afirma Dmítri Bulatov, presidente da União Nacional de Exportadores de Alimentos. “Até agora, as exportações russas têm sido impulsionadas por empresas internacionais que acham mais fácil entrar nos mercados globais por meio de suas filiais locais”, acrescentou Bulatov.

O aumento da produção de café instantâneo da Rússia é auxiliado ainda pela política aduaneira do governo federal nos últimos 15 anos, que permite isenção de impostos na importação de matérias-primas, sugere Tchanturia.

Além do mais, as taxas de importação russas sobre café pronto são de 7,5%, o que cria incentivos para o investimento em instalações de processamento nacionais.

“Os direitos sobre produtos acabados ajudaram a promover a indústria de café na Rússia nos últimos 10 a 15 anos, que agora não só atende aos padrões do mercado russo, mas que também desenvolve seu potencial de exportação”, diz Tchanturia.

No final dos anos 2000, além da Nestlé e da Jacobs Douwe Egberts, surgiu um grupo de novas empresas nacionais especializadas no processamento de grãos de café, como o Moscow Coffee House e a Russian Product.

A maior empresa de chá e café da Rússia, Orimi Trade, anunciou também, no final de 2016, o investimento de 100 milhões de euros na construção de uma fábrica de ciclo completo para produção de café instantâneo.

Principais destinos

De acordo com Roschaikofe, as exportações russas de café instantâneo em 2016 totalizaram 7.100 toneladas, no valor de cerca de US $ 61 milhões.

Esse montante incluiu exportações para Geórgia (1.300 toneladas); Ucrânia (1.100 toneladas); Moldávia (994 toneladas); Uzbequistão (554 toneladas); Alemanha (542 toneladas); Lituânia (539 tonelada) e Israel (528 toneladas), entre outros países.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

+
Curta a "Gazeta Russa" no Facebook