Forças especiais chinesas buscam treino antiterror na Tchetchênia

21 de dezembro de 2016 Inna Sidorkova, Gazeta.ru
Pedido de capacitação em instituto privado está sendo avaliado por Moscou. Estrutura com mais de 400 hectares dispõe de ambientes urbanos simulados.
Centro busca instrutores estrangeiros, inclusive norte-americanos, para compor equipe de treinamento Foto:AP

A China solicitou ao governo russo permissão para que suas forças especiais passem por um treinamento antiterrorista em um instituto privado em Gudermes, na Tchetchênia.

O Conselho de Segurança da Rússia e o Ministério dos Negócios Exteriores do país estão estudando a proposta, informou Daniil Martinov, diretor do Centro de Treinamento de Forças Especiais.

Segundo Martinov acrescentou, os militares chineses abordaram o centro durante a última edição da Competição Anual de Guerreiros, na Jordânia, onde uma divisão tchetchena ganhou o primeiro lugar.

Troca de experiências

Em julho de 2016, uma delegação composta por oficiais dos serviços de segurança chineses visitou a capital tchetchena de Grózni. Neste mês, uma delegação russa, composta por representantes do instituto, retribuiu a visita à região de Xinjiang, no noroeste da China, que enfrenta uma insurgência separatista.

“Foi uma experiência interessante porque as unidades tchetchenas e chinesas operam em condições diferentes”, disse Martinov.

“Temos vasta experiência no campo da identificação de homens-bomba em locais públicos e como lidar com cintos suicidas. Mas os chineses desenvolveram sistemas eficazes para evitar o uso de armas brancas. Isso também é útil para nós, e vamos implementar”, completou.

Segundo o diretor do centro, os chineses estão prontos para “voar [para a Tchetchênia] amanhã”, porém, o treinamento só poderá ter início depois que todas as autorizações de segurança forem obtidas.

Criação de Kadirov

O Centro Internacional de Treinamento de Forças Especiais em Gudermes, na Tchetchênia, irá operar plenamente a partir de 2018.

As instalações, que ocupam mais de 400 hectares, incluem pista de pouso própria e cerca de 40 estruturas para exercícios antiterroristas em ambientes urbanos simulados.

O centro inclui ainda um túnel de vento, um campo de treinamento para lidar com minas e um complexo de paraquedismo.

Embora idealizado pelo líder tchetcheno Ramzan Kadirov, o centro será mantido apenas com investimento privado. Em novembro passado, Kadirov declarou estar procurando instrutores estrangeiros, incluindo “caras durões” dos EUA.

Dez instrutores norte-americanos já tinham se candidatado ao trabalho no centro, segundo o presidente tchetcheno. A expectativa é que o complexo gera emprego para, no mínimo, 200 pessoas.

Com o jornal on-line Gazeta.ru 

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

+
Curta a "Gazeta Russa" no Facebook