Noroeste russo receberá nova estação de radar antimíssil

24 de novembro de 2016 Nikolai Litôvkin, Gazeta Russa
Estrutura cobrirá principal trajeto de ameaça de mísseis na área ocidental. Objetivo é completar sistema de alerta em todo o perímetro do território russo.
Estação de radar do tipo Voronej na região de Irkutsk Foto:Vadim Savitski/TASS

A indústria de defesa russa produzirá uma estação de radar complexa para alertar sobre potenciais ataques com mísseis, segundo Serguêi Boiev, presidente-executivo da holding que construirá o novo sistema de alerta.

A estação de radar do tipo Voronej-DM será implantada no noroeste da Rússia, perto da cidade de Murmansk (1.800 km ao norte de Moscou), e “irá cobrir o principal trajeto de ameaça de mísseis” na área ocidental.

A nova estação será capaz de detectar objetos balísticos, assim como espaciais e aerodinâmicos, incluindo mísseis de cruzeiro.

Como funciona

Um dos três elementos de um sistema integrado de alerta de mísseis, a estação de radar do tipo Voronej permite que o Ministério da Defesa russo veja, em setores, o que acontece ao redor do território russo a uma distância de até 6.000 km.

“O primeiro nível se refere ao espaço. Por exemplo, nossos satélites do tipo Tundra, que a pasta da Defesa colocou em órbita no ano passado, alerta sobre os lançamentos de mísseis balísticos a partir de um potencial território inimigo”, explica uma fonte da indústria de defesa do russa.

Em seguida, a estação de radar do tipo Voronej, ou equivalentes, acompanha a trajetória de voo da ogiva e direciona os sistemas de defesa antimísseis contra ela.

“Os satélites registram o lançamento e, depois, precisamos determinar para onde o míssil está se dirigindo – para Rússia ou América do Sul. É este sistema que designa os alvos para os sistemas de defesa antimísseis. E tal estação de radar cobre uma distância de São Petersburgo à costa dos Estados Unidos”, acrescenta a fonte.

Mais barato e eficiente

Enquanto as estações de radar da geração anterior pareciam antigas pirâmides egípcias, o modelo atual é bastante diferente.

“O Daryal soviético no Azerbaijão consistia em duas estruturas de concreto ciclópicas: um centro de radiodifusão com 60 metros de altura e um receptor com altura de 100 metros. Eram operados por uma centena de pessoas, sua construção levava 10 anos e custava US$ 1 bilhão”, diz a fonte da indústria de defesa russa.

Já a Voronej, tem valor estimado entre de US$ 23 a US$ 31 milhões e requer apenas 15 funcionários. Além disso, todo o equipamento é preparado, montado e testado na empresa responsável, e os cubos modulares são então reunidos no local de instalação e configurados para desempenhar seu papel.

Estações similares

A Rússia vem modernizando seus sistemas de alerta antimíssil desde o início dos anos 2000. Para garantir a proteção de suas fronteiras, Moscou precisa substituir as antigas estações da época soviética, bem como as instalações nos países bálticos, na Ucrânia e na Bielorrússia que foram perdidas após o colapso da URSS.

Em 2008, um novo sistema de alerta do tipo Voronej foi implantado no vilarejo de Lekhtusi, perto de São Petersburgo. Este é capaz de identificar todos os objetos aéreos e espaciais desde a costa de Marrocos a Spitsbergen (arquipélago no Oceano Ártico).

Infográfico: Nikolai KoroliovInfográfico: Nikolai Koroliov

A segunda estação foi lançada em Armavir, na região de Krasnodar (1.400 km ao sul de Moscou), e rastreia ocorrências do norte da África à Índia.

Outros sistemas de alerta similares estão instalados em Pionerskoie (1.300 km a oeste de Moscou), na região de Kaliningrado, e nos entornos de Irkutsk (5.150 km a leste da capital). Enquanto o primeiro rastreia lançamentos de mísseis oriundos do Ocidente, o o segundo escanea a área desde a China à costa oeste dos EUA.

O Ministério da Defesa russo pretende introduzir novas instalações em Krasnoiarsk (quase 4.200 km a leste de Moscou) e na região de Altai (3.860 km a leste da capital), bem como em Orsk (1.770 km a leste de Moscou) e nos arredores de Vorkuta (1.930 quilômetros a nordeste).

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

 

+
Curta a "Gazeta Russa" no Facebook