De atrações manjadas a estereótipos, o que evitar em Moscou

Expatriados dão cinco dicas de como não cair em armadilhas na capital russa.
Clima, lugares-comuns e truques locais podem ser cilada para estrangeiros Foto:Alena Repkina

1. Não vá com a multidão

Armadilhas para turistas existem em todo o mundo – situações que sugam seu tempo, atenção e dinheiro. Mas como ficar alerta para não entrar em uma furada em Moscou?

“A maioria das pessoas ouve falar sobre a rua Arbat em guias ou romances russos, o que explica tamanha curiosidade dos turistas”, diz o norte-americano Jacob Gordon.

“Mas é, em essência, uma aclamada armadilha para turistas – café e restaurante medíocres e caros, e nada além. Algumas atrações turísticas em Moscou valem a pena visitar, é claro. Mas o meu conselho é: faça amizade com um local para que ele possa lhe mostrar o que há de melhor na cidade”, completa.

Ilustração: Aliona RépkinaIlustração: Aliona Répkina

Dica de ouro: Afaste-se das áreas mais turísticas e tente observar as coisas através dos olhos de um local.

2. Capital de estações

Um conhecido russo disse certa vez que existem apenas três estereótipos verdadeiros sobre a Rússia: o alto consumo de vodca, e real existência de ursos (claro que não nos grandes centros) e o frio. Mas verdade seja dita: em Moscou não é frio o tempo todo.

“Os italianos acho que é sempre muito frio aqui, então trazem casacos e blusas, e nenhuma camiseta – nem mesmo no verão”, diz a italiana Dileta, que vive na capital.

Ilustração: Aliona RépkinaIlustração: Aliona Répkina

Por outro lado, nem todos se preparam adequadamente para os efeitos adversos dos invernos rigorosos na Rússia.

“Alguns visitantes, por vezes, cometem o erro de usar sapatos muito bons no inverno, que ficam totalmente detonados por causa do sal colocado para derreter o gelo”, conta a britânica Louise Whitworth.

Dicas de ouro: Cheque a previsão do tempo antes de fazer as malas – com na maioria dos outros lugares, o clima em Moscou tem suas variações.

3. Seja guia de si mesmo

Embora muitos brasileiros estejam acostumados com cidades grandes, quando se chega em uma metrópole nova e agitada, perder-se não é tão difícil assim. Mas, embora Moscou seja grande, seu centro é relativamente compacto.

“As pessoas não percebem como as estações de metrô centrais ficam perto umas das outras e perdem um tempão mudando de trem quando seria mais rápido fazer uma caminhada”, diz Alastair Gill, do Reino Unido.

Ilustração: Aliona RépkinaIlustração: Aliona Répkina

Dica de ouro: Assuma a liderança de sua jornada. Com apps móveis e crescente sinalização em Inglês no centro de Moscou, é possível sair explorando

4. Senso comum (e o russo)

As pessoas às vezes se esquecem que as artimanhas usadas para se virar em suas respectivas cidades podem ser aplicadas a outros lugares.

“O maior erro é se sentir grosseiro ou de alguma forma errado por ter de dizer não”, diz o canadense Michael Deasy. “É preciso aprender a se afastar.”

Já o operador turístico Piotr Ichkin, que promove tours para estrangeiros pela Rússia, destaca alguns conselhos práticos e bastante locais.

Ilustração: Aliona RépkinaIlustração: Aliona Répkina

“Nunca fique olhando para policiais - se perceberem, isso pode fazer com que queiram checar seus documentos” e, talvez, uma multa, diz Ichkin.

“Aconteceu várias vezes com os meus clientes. Outra coisa: nunca coloque a carteira no bolso de trás das calças quando estiver no metrô, pois há uma grande chance que ela não esteja mais contigo após a primeira estação lotada”, acrescenta.

Dica de ouro: Quando em Moscou, faça como os moscovitas.

5. Estereótipos só falam sobre você

Ilustração: Aliona RépkinaIlustração: Aliona Répkina

É inegável o quanto as coisas mudaram em Moscou nos últimos anos. Mas a Rússia, mais do que em outros lugares, parece ser atormentada por clichés congelados no tempo. Não carregue esse peso na sua mala.

“Acho que o maior erro é acreditar em qualquer coisa que alguém diga a você antes de chegar aqui”, diz Joe MacInnes, do Canadá. “A maioria dos conselhos serão infestados por rumores de 10 a 15 anos atrás, que era uma época muito diferente. A Moscou que eu desconheci não tem nada a ver com aquela que haviam retratado.”

Dica de ouro: Tenha a mente aberta e aproveite a viagem.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

+
Curta a "Gazeta Russa" no Facebook